O SOL DE SEGUNDA-FEIRA 20.12.21

E assim a América do Sul começa a mudar sua cara

Prato do dia: eleição de outubro

Na foto em destaque na primeira página, Aquele Abraço

Na outra foto em destaque na primeira página, cinzas e nada mais

O mundo perdeu um grande arquiteto

A América do Sul começa a respirar aliviada

Na foto em destaque na primeira página, a dupla Lula e Alckmin

Na manchete principal, as ameaças aos funcionários da Anvisa, que autorizou a vacinação de crianças

Brasileiros se unem para diminuir a dor de milhares de pessoas

Na foto em destaque na primeira página, Lula e Alckmin

A festa de Boric depois da vitória

Vamos acompanhar a IstoÉ, a revista que decretou a morte de Lula em 2018

Os imortais Gil e Fernanda na capa da Veja Rio deste mês

Os novos velhos na capa da Veja Saúde

As primeiras páginas dos jornais chilenos anunciam o novo presidente da República

O jornal argentino publica, na primeira página, o melhor título para o novo presidente chileno, Gabriel Boric

O Le Monde publica um caderno especial sobre os 30 anos da queda da URSS

A bela capa da Wallpaper

Faz muito tempo, mais de ano, que não vejo um percevejo, não sinto o seu cheiro, o seu andar vagaroso pela parede do meu apartamento. Faz muito tempo que não vejo uma formiga, um tatu- bola, uma lagartixa, uma taturana, uma mosca varejeira parada no ar.

Faz muito tempo que não vejo uma pulga.

Minha infância foi povoada de insetos, insetos de todos os tipos e tamanhos. Lembro-me bem do telefone que fazíamos, eu e meu irmão, com um besouro vivo dentro de duas caixas de fósforos unidas por um barbante. A ligação ruim ficava fazendo um croct croct, como as ligações daquele tempo, em que era preciso bater no gancho sem parar.

Distinguia sem grandes dificuldades uma formiga saúva de uma Lasius niger, aquelas que picam e deixam um calombo. Conhecia a tonalidade das asas das borboletas e me intrigava com o pisca-pisca do vagalume que, quando capturados, ficaram apagados, olhando assustados.

Tínhamos medo só dos escorpiões que se escondiam nas trolhas que o meu pai guardava no canto do galinheiro: telhas, tijolos, azulejos, caixotes, sobras de reforma.

Incapazes de matar uma muriçoca, já fomos maldosos um dia, arrancando as asinhas de uma mosca para ver o que acontecia. Deu dois passos e morreu, pobre coitada.

Eram muitos os insetos da nossa infância. Até espetávamos vários tipos de besouro numa placa de isopor e levava pra aula de ciências, largando pelo caminho um cheiro de éter, álcool ou acetona, não me lembro mais o que era.

No quintal da casa dos meus pais tinha todo tipo de insetos e eles viviam em perfeita harmonia. Aranhas caranguejeiras, louva-deus, joaninhas, cigarras, cupins, mariposas, bicho-pau.

Do alto do meu apartamento, aqui na maior cidade da América do Sul, não vejo mais insetos. Minto. Vejo sim, em alguns dias do ano, quando faz muito calor, elas aparecem na cozinha, as abelhas.

Chegam devagarinho procurando o bico da garrafa de Coca-Cola que ficou vazia em cima da pia, a xícara de café suja, o pão doce na cesta. Em busca de algo açucarado, elas circulam pela cozinha e com um pano de prato eu vou indicando pra elas o caminho da janela porque minha mulher morre de medo e matar abelhas, jamais.

Dizem que aqui por perto, no telhado da padaria, tem uma colmeia. Nunca vi. Na verdade, não vejo mais insetos, conforme disse lá no início da crônica. Só as abelhas. Nem sei mais quantas patinhas tem um grilo, aqueles que minha tia não deixava matar porque trazia sorte.

[www.cartacapital.com.br]

Lançado esta semana pela Estação Liberdade, o novo livro de Renato Janine Ribeiro, ex-ministro de Dilma e atual presidente da SBPC, nos traz boas reflexões filosóficas sobre a pandemia que atingiu a todos nós

O suplemento de literatura do jornal espanhol El País mostra que os livros infantis são os que mais vendem no país

O Globo de sábado resgata a história dos últimos botecos do Rio que ainda preservam os painéis de Gabriel Bravo, chamado de Michelângelo dos botequins

Quando duas revistas francesas de música clássica apostam em Mozart na capa

O foco numa mesma cor, deixou a Ela, revista de fim de semana do Globo, sem cara de capa de revista

É certeza que tem um editor trocadilhista na Ilustrada

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s