O SOL DE SEGUNDA-FEIRA

Não há nada mais triste do que uma pessoa sem um teto

E o governo negacionista em ação

Faltam poucas horas para o aniversário de São Paulo

A turma do tô nem aí

É aquela velha história: devo não nego, pago quando puder

O medo se espalha por Minas Gerais

João Bosco, 50 anos de carreira, na capa do C2

Para o governo Bolsonaro, mais vale um Centrão na mão…

J.Borges, o gênio da gravura, na primeira página é a glória

Cidade Partida

O país que Bolsonaro demoliu, na capa da IstoÉ

Na capa da Time, a oposição a Putin

Na capa da Der Spiegel, Putin

Minha relação com a tecnologia, com essas máquinas, nunca foi boa. E é todo tipo de máquina. Nunca me esqueço quando aquele caminhão da Bemoreira parou na porta da minha casa e de lá saiu uma máquina de lavar roupas Bendix, uma das primeiras de Belo Horizonte. Quando o técnico colocou aquele monstrengo pra funcionar, pensei: isso não vai dar certo!

Vi chegar a secretária eletrônica, o telefone sem fio, o micro-ondas, o fax, o aparelho de CD, o controle remoto, o celular, o computador, é de perder a conta o que vi surgir assim, de repente, pra meu espanto.

Na primeira viagem a Amsterdam, nunca vou me esquecer a encrenca que foi conseguir guardar a minha mochila naqueles nichos que funcionavam sem ajudante nas estações ferroviárias. Os holandeses chegavam tranquilos, tranquilos, tiravam uma moeda do bolso, enfiavam no buraquinho, a portinha abria, eles colocavam tudo lá dentro, fechavam e saiam assobiando.

Eu, de longe, tentava decifrar aquele enigma. Que diabo de ficha é essa? Onde vende? Funciona por tempo determinado? E o medo de enfiar minhas coisas ali dentro e, quinze minutos depois, a porta abrir e deixar minha matula à vista?

E aquele dia em que demorei bons trinta minutos para entender como funcionava aquela maquininha numa rua de Pádua, onde a gente enfiava uma moeda e saía um papelzinho que você colocava no painel do carro pra não ser multado?

Aí vieram as caixas eletrônicas, custei a ter um relacionamento sério com elas. Vieram as vozes eletrônicas e quantas vezes não dei bom dia pra ninguém, e fiquei falando feito bobo?

Um abismo existiu entre este cronista e um celular, isso lá nos primórdios. Como fazer foto, como mandar uma mensagem, como baixar um aplicativo, como colocar o despertador pra funcionar, onde achar a lanterna? E como pedir um Uber? A primeira vez me atrapalhei e quando vi, tinham cinco automóveis estacionados na porta do meu prédio e cinco motoristas avisando pro porteiro que era pro apartamento 21?

Durante muito tempo continuei a ir ao banco para pagar contas. Só parei quando o banco passou a não receber mais conta de luz, de água, de telefone, condomínio, boleto de cartão de crédito…

Durante muito tempo ainda usei agenda de papel, bloquinho de zona azul e levei minhas fotografias pra revelar.

Hoje, se você se negar a usar a tecnologia, é melhor não sair de casa. O negócio é pedir à filha pra ligar no Netflix, pra ela pedir uma pizza pelo iFood e ficar quietinho.

Minha nova encrenca agora são as máquinas de autoatendimento nos supermercados. Uma vez vi as primeiras em Milão e pensei: ainda bem que o Brasil é um país atrasado e isso vai demorar décadas até chegar entre nós. Que nada! No Pão de Açúcar do meu bairro já instalaram quatro.

Pra minha infelicidade e raiva, tem gente que adora essas engenhocas. Preferem as caixas de autoatendimento do que dar bom dia pra uma mocinha de carne e osso. Fico só olhando.

Talvez tudo isso seja fruto do meu pessimismo. Sempre acho que a danada da máquina não vai ler o código de barra, que vai dar CPF inválido e que vai vir escrito na tela: transação não aprovada.

Fico na minha. Sonhando que um dia vai voltar o Armazém do Seu José, aquele que vendia biscoitos Aymoré e fiado, só amanhã.

Há muitos anos, os jornais deixaram de publicar foto de uma pessoa morta no caixão. A Folha de sábado rompeu o silêncio.

Um belo romance do chileno Alejandro Zambra, autor de A vida privada das árvores

Um clássico, reeditado pela Biscoito Fino

Boris Johnson com cara de palhaço e pinta de palhaço nas capas da Guardian Weekly e da New Statesman

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s