TEMPO TEMPO TEMPO

O bom de férias é o tempo que temos. Mesmo que seja por pouco tempo, são vinte e quatro horas por dia, praticamente livres. A segunda se mistura com a terça, de repente é sexta e o fim de semana não faz muita diferença. Durante o voo São Paulo-Natal, flutuei lendo a biografia de João Gilberto, saída das mãos de Zuza Homem de Mello, que morreu logo após colocar o ponto final no livro. Trata-se de um criterioso e completo ensaio sobre a obra que o genioso João nos deixou, disco após disco, show após show. Tudo cheio de minuciosos e saborosos detalhes, muitos deles que só o velho Zuza sabia. Uma delícia. Aqui, entre um mergulho no ora azul, ora verde mar, mergulhei na leitura dos diários de Emilio Renzi, ou melhor Ricardo Piglia. Detalhes também minuciosos da feitura de Respiração Artificial, sua obra prima. Os rascunhos, os acertos, os consertos, a capa, a orelha, a contracapa. O sofrimento de um escritor ao ver uma página em branco e a necessidade de ir preenchendo cadernos e mais cadernos registrando cada passo de uma vida. São assustadoras as anotações para um leitor apaixonado por diários. Sutis diferenças, incríveis coincidências. Devorado o livro, mergulhei no Catorze Camelos para o Ceará, do jornalista Delmo Moreira. Há muito não lia uma pesquisa tão apurada de uma história extraordinária, quase esquecida e que Delmo trouxe à tona. Diversão garantida. Ai chegou, via Kindle, a biografia de Lula, escrita pelo também jornalista Fernando Morais. Mergulhei pouco no mar porque os mergulhos foram muitos e profundos na obra de Morais. São detalhes cirúrgicos que só o jornalista que passou um bom tempo colado a Lula poderia nos contar. Sem meias palavras, o livro mostra claramente que foi sim um golpe que derrubou Dilma, que a GloboNews colocou no ar uma fake news dizendo que Lula resistiria e não se curvaria a ordem de prisão do juiz parcial Sergio Moro, que um minúsculo microfone foi instalado debaixo do colchão do ex-presidente pela Polícia Federal, as mentiras que a imprensa engoliu e vomitou, as centenas de informações tendenciosas. são tantas coisas que vou parar por aqui porque ainda tenho algumas dezenas de páginas para ler. Resumo da ópera: os quatro livros das férias são altamente recomendáveis. 

texto & foto/Alberto Villas